Início do cabeçalho do portal da UFERSA

Programa de Pós-Graduação em Manejo de Solo e Água

Logomarca

A Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) foi criada em 29 de julho de 2005, por transformação da Escola Superior de Agricultura de Mossoró (ESAM). Essa transformação ocorreu como resultado da política do governo federal de expansão das universidades brasileiras, com o consequente aumento de vagas no ensino superior. A UFERSA está situada em Mossoró, no Estado do Rio Grande do Norte, e sua área de influência atinge os municípios da microrregião Oeste/Salineira, além das áreas de grandes projetos de irrigação, tais como Baixo-Assu, Chapada do Apodi (Estado do Rio Grande do Norte); Baixo-Banabuiu, Médio-Jaguaribe e Região do Cariri (Estado do Ceará). Por estar localizada em pleno semiárido nordestino, a instituição tem grandes desafios, como a formação de mão-de-obra qualificada e o apoio ao desenvolvimento econômico e tecnológico regional.

 

Como autarquia federal, a UFERSA tem como missão social o compromisso de desenvolver a educação superior e a produção de conhecimento científico e tecnológico integrados à extensão, de forma gratuita e de qualidade, em consonância com seu estatuto e a legislação vigente. Após a transformação da UFERSA, a criação de novos cursos de graduação, pós-graduação e a contratação de docentes e técnicos administrativos foram priorizadas no planejamento institucional. Quanto à contratação de docentes, a UFERSA tem dado prioridade aos docentes com doutorado, para fortalecer os cursos de pós-graduação existentes, incentivar a criação de novos programas, e fortalecer a produção de ciência e tecnologia. É uma instituição que tem apresentado uma taxa de crescimento significativa e importante, principalmente quanto à qualificação dos seus pesquisadores, aos projetos de pesquisas apoiados e ao número de publicações em revistas indexadas.

 

A UFERSA possui quatro campi no Estado do Rio Grande do Norte, sendo o campus central em Mossoró e os outros três nos municípios de Angicos, Caraúbas e Pau dos Ferros. Atualmente, a UFERSA possui 124 grupos de pesquisa ativos cadastrados e atualizados no sítio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), 45 cursos de graduação, 16 cursos de pós-graduação Stricto Sensu e 8 Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu para atender cerca de 10.000 alunos, com um efetivo de 1300 servidores.

 

Com a nova Estruturação Acadêmica do campus central da UFERSA em Mossoró-RN, foram criados cinco (05) Centros Acadêmicos (Centro de Ciências Agrárias, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Centro de Ciências Exatas e Naturais, Centro de Ciências Sociais Aplicadas e Humanas e Centro de Engenharias) e dez (10) Departamentos Acadêmicos (Departamento de Ciências Agronômicas e Florestais e Departamento de Ciências Animais, pertencentes ao Centro de Ciências Agrárias; Departamento de Biociências e Departamento de Ciências da Saúde, pertencentes ao Centro de Ciências Biológicas e da Saúde; Departamento de Computação e Departamento de Ciências Naturais, Matemática e Estatística, pertencentes ao Centro de Ciências Exatas e Naturais; Departamento de Ciências Sociais Aplicadas e Departamento de Ciências Humanas, pertencentes ao Centro de Ciências Sociais Aplicadas e Humanas; e Departamento de Engenharia e Ciências Ambientais e Departamento de Engenharia e Tecnologias, pertencentes ao Centro de Engenharias). Além disso, o campus UFERSA/Mossoró ocupa uma área de 1300 ha, possui a Fazenda Experimental “Rafael Fernandes” com 419 ha, o Núcleo de Geração e Transferência de Tecnologia em Produção Animal do Semiárido (NUTESA), ocupando 159 há, além de 151 laboratórios voltados para pesquisa e ensino.

 

Nos anos de 2016 e 2017, a UFERSA modificou a sua Estrutura Acadêmica com a criação de novos Centros e Departamentos Acadêmicos. O PPGMSA foi transferido do extinto Departamento de Ciências Ambientais e Tecnológicas para o Departamento de Ciências Agronômicas e Florestais pertencente ao Centro de Ciências Agrárias.

 

Dentro do contexto das ciências agrárias, o uso racional dos recursos naturais Solo e Água, é uma das temáticas mais estratégicas para o avanço socioeconômico do Brasil. Isso porque o manejo desses recursos se constitui em uma necessidade imprescindível ao desenvolvimento sustentável das atividades agrícolas para as gerações futuras. Existe uma forte correlação entre os indicadores socioeconômicos e os recursos naturais, em particular o solo e a água. Além disso, as atividades pilares da economia do Estado do Rio Grande do Norte representadas pela Exploração de Petróleo do Solo, Produção de Sal Marinho, Produção Agrícola Irrigada, Produção de Camarão e Produção de Cerâmica necessitam constantemente de pesquisas voltadas para o tema solo e água, visando à potencialização dos recursos econômicos e à minimização dos problemas ambientais desses empreendimentos.

 

A proposta de criação do Programa de Pós-Graduação em Manejo de Solo (PPGMSA) foi aprovada pela CAPES na 130ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da Educação Superior (CTC-ES), no período de 24 a 27 de outubro de 2011, conforme indicado na Portaria n° 1.331 do Ministério da Educação, de 8 de Novembro de 2012 (http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=09/11/2012&jornal=1&pagina=10&totalA). Este programa surgiu da junção do Programa de Pós-Graduação em Irrigação e Drenagem (PPGID) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo (PPGCS), ambos apenas em nível de mestrado (conceito 3), objetivando a elevação do conceito do curso junto à CAPES e a abertura do terceiro curso de doutorado da UFERSA.

 

O PPGID (Mestrado acadêmico) foi criado em setembro de 2003, com o nome de Engenharia Agrícola, o qual foi alterado em 2005 para atender as recomendações da CAPES, passando para Programa de Pós-graduação em Irrigação e Drenagem. O curso iniciou suas atividades em março de 2006, sendo o mesmo recomendado pela CAPES em setembro de 2005, com o conceito 3. A área de concentração era Irrigação e Drenagem, e as linhas de pesquisas eram: Engenharia de Irrigação e Drenagem; Necessidade Hídrica das Culturas e Manejo da Irrigação; e Impactos da Irrigação e da Fertirrigação no Solo e na Planta.

 

O PPGCS (Mestrado acadêmico) foi criado pela UFERSA, a partir da iniciativa de professores do Departamento de Ciências Ambientais, no ano de 2007. Neste mesmo ano, a CAPES, aprovou o projeto autorizando o seu funcionamento, a partir de 2008, com conceito 3. O corpo docente do Programa era composto por professores dos Departamentos de Ciências Ambientais e Ciências Vegetais da UFERSA e de pesquisadores da Embrapa Semiárido. Este possuía uma área de concentração: Ciência do solo, e três linhas de pesquisa: Manejo e conservação do solo; Química e fertilidade do solo e Impactos ambientais pelo uso dos solos.

 

O PPGMSA possui uma única área de concentração, a mesma do eixo temático do curso, ou seja, “Manejo do Solo e da Água no Semiárido”. O eixo temático ou arcabouço conceitual da área de concentração Manejo de Solo e Água tem por objetivos contribuir para a geração de conhecimento e o desenvolvimento de processos e produtos inovadores para a sustentabilidade do ambiente agrícola. Este eixo temático foi concebido de forma a abranger um conhecimento interdisciplinar envolvendo o domínio de várias áreas do conhecimento, o que ocorre por meio de três linhas de pesquisa: “Manejo de Solo e Água na Agricultura”, “Fertilidade do Solo e Adubação” e “Impactos Ambientais pelo Uso do Solo e da Água”.

 

O PPGMSA iniciou suas atividades no dia 1 de janeiro de 2012 e matriculou os seus primeiros discentes de mestrado e doutorado a partir do dia 1 março de 2012. Em sua primeira avaliação trienal (2010-2012) pela CAPES, o PPGMSA, apenas com indicadores do ano 2012, manteve o conceito 4. Na avaliação do quadriênio 2013-2016 feita pela CAPES, o PPGMSA manteve o conceito 4. Até o final de 2017, o programa já havia titulado 57 Mestres e 34 Doutores, que exercem suas atividades na Pesquisa, no Ensino, na Extensão e na Administração de Instituições Científicas, na região Nordeste do Brasil.

 

Para o quadriênio (2017-2020) foi ajustado o quantitativo de docentes pelo Colegiado do PPGMSA para atender as recomendações feitas na 172ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da Educação Superior (CTC-ES), no período de 21 a 25 de agosto de 2017 em Brasília-DF (maiores detalhes, justificativas e esclarecimentos constam no item OUTRAS INFORMAÇÕES dessa PROPOSTA). Atualmente, o PPGMSA é composto por 22 professores, sendo 14 permanentes (70%) e 6 colaboradores (30%) e 2 visitantes.

 

20 de outubro de 2014. Visualizações: 3133. Última modificação: 14/04/2018 18:52:54